Vi

, , No Comments
Quantas vezes precisamos nos apaixonar, para que entender que o que realmente machuca é a falta da sentimento na pessoa?
Me apaixonei muitas vezes na vida, platonicamente e verdadeiramente. Não, eu nunca amei de verdade, nunca disse a frase 'eu te amo' com o peso real.
Eu nunca senti borboletas no estômago, nem mesmo me pegava pensando na pessoa ao olhar pro céu ou pra onde quer que seja. Eu nunca havia sentido falta de alguém ou vontade de estar todos os dias com a pessoa. Eu não saberia te dizer tudo isso há algum tempo atrás.
Mas hoje, hoje mesmo, eu notei algo diferente em mim. Notei uma pessoa diferente, que quer acreditar, se entregar, se render, flutuar.
Hoje eu vi uma pessoa diferente da habitual que costumo ser. Eu me vi inteira, com os pedaços de volta no lugar certo, com o coração todo remendado, mas batendo fortemente.
Eu me vi preocupada, rindo a toa, sorrindo de verdade, eu me vi apaixonada. Eu me vi amando, sim, isso mesmo, amando!
Não apenas amando o ser amado, mas também me amando. Amando quem sou com ela, amando as brincadeiras, as palhaçadas, as idiotices entre quatro paredes.
Me vi apaixonada pelo olhar, pelo sorriso, pelo toque e pelo abraço. Eu me vi como objeto de preocupação e de cuidado. Eu me vi como uma pessoa, um ser humano desejado.
Eu me vi de tantas formas hoje, não apenas positivas, também teve negativas (sempre há), mas acima de tudo, eu me vi como há muito tempo já não me via.
Eu me vi, verdadeiramente e honestamente, feliz.
Postar um comentário