Indecisão

, , No Comments
Eu não sei explicar o porquê, mas a cada dia me sinto mais distante dele.
É como se uma parede estivesse crescendo aos poucos entre nós.
As conversas são cada vez mais curtas e as respostas monossilábicas.
Os encontros face a face estão frios de certa forma.
É como se tudo aquilo que eu havia sentido no começo, estivesse desaparecendo. Ou talvez seja meu medo grotesco de finalmente se apaixonar por ele. Ou pelo menos admitir que eu adoraria isso.
É complicado isso. Fazia tempo que eu não sabia o que era estar em algo parecido com uma relação.
Por mais que para ele, eu seja sua boa ''amiga'', como ele mesmo diz.
Ele para mim é um ótimo amigo, sim sem as aspas. Eu me pergunto até hoje qual o sentido delas. Se é para da ênfase que não somos somente amigos ou que somos algo além disso.
Sabe, as vezes eu penso em sentar e conversar sobre isso, ver no que vai dar, o que planejamos, ou poderíamos planejar. Mas no fundo, tenho medo dessa conversa acabar com a ''amizade'' ou seja lá o que raios possuímos.
Eu sempre sou verdadeira em relação a tudo e a todos, menos quando se trata em assuntos do coração, e não falo de AVC's, falo sobre paixões.
Sou uma péssima pessoa quando o tema é paixão e amor. Claro que para aconselhar os outros, sou quase uma terapeuta de casal, mas quando é pessoal... É muito mais fácil não esperar nada das pessoas, não criar esperanças e seguir a vida.
Mas caramba! Que droga de vida seria a minha então?
A espera eterna de alguém que desperte algo maior que o medo de se apaixonar? Ou alguém que me torne suficientemente corajosa para lutar contra esse medo?
As vezes eu sinto que ele é essa pessoa.  Eu olho para ele e sei o que quero, eu quero ele. Todos os dias se possível. Quero deitar no peito dele, dormir junto a ele sempre que puder e acordar ao seu lado. Mas ao mesmo tempo que desejo isso, todo meu corpo estremece com medo do que posso ganhar e principalmente, perder com tudo isso. Ele é quem me acalma, que me conforta num abraço, que me dá forças, me faz rir com as coisas mais estúpidas que já vi e que do jeito dele, meio desajeitado, se importa e muito.
Eu admito, é uma droga se apaixonar e ter medo de falar desse sentimento. É uma droga entrar numa espécie de relação que provavelmente está fadada ao fracasso e ao nada.
É desesperador querer tanto alguém ou algo. Mas eu sempre vou me perguntar: como saber o que fazer?
Postar um comentário