Meu primeiro amor.

, , No Comments
E quando eu me apaixonei pela primeira vez, estava no colegial. E estava lendo um livro de romance bobo. Me sentia como se estivesse dentro do livro, como se todo o mundo tomasse cores e formas mais belas e vivas. Sobre meu primeiro amado? Bem, ele era tipo aqueles garotos perfeitos sabe? Como no livro que eu lia, ele era pra mim como o capitão do time da escola. Eu? Eu estava mais para a garota nerd, amiga do professor.
Eu sempre sentava nas ultimas carteiras, apesar de nerd, nunca abandonei o famoso ''fundão''. Ele sentava no fundo também. Eu realmente estava apaixonada por ele. Passei as férias de inverno inteira pensando nele. Decidi que falaria para ele sobre meus sentimentos quando as aulas voltassem.
Quando voltamos, entraram novas pessoas na sala e uma delas é minha melhor amiga até hoje. E sou eternamente grata a ela.
Fomos nos conhecendo aos poucos, e gradativamente rápido eu me transformei, digamos que do 'patinho feio' a uma pessoa mais apresentável. E aos poucos, fui me desligando dele, fui deixando pra lá e esquecendo da minha auto promessa de falar a ele o que eu sentia.
Cerca de um mês para a formatura, todos estavam loucos. Eu já havia escolhido meu vestido e também já havia decidido o que fazer: contei a minha melhor amiga sobre ele, ela me deu a ideia clássica de uma carta. Bem, eu escrevi. Coloquei naquele papel tudo o que sentia.
No dia antecedente a formatura, eu coloquei a carta em sua bolsa e assinei com meu nome mesmo, afinal, eu duvido que nos veríamos apos a formatura.
No dia da festa, eu me decepcionei e sentia vontade de chorar para sempre. Ele estava lindo em seu terno e gravata vermelha, mas a sua namorada estava lá. Sim, ele tinha uma namorada...
Ele me viu de longe e sorriu. Eu não entendi e apenas sorri de volta.
Quando a festa estava no auge, resolvi sair pra tomar ar puro, afinal toda aquela musica e agitação não era bem a minha praia.
E para a minha surpresa e espanto, ele estava lá fora discutindo com a namorada. Me escondi e pensei em voltar a festa, ms a lua estava cheia e realmente linda. Fiquei ali escondida apreciando a lua. Ouvi passos e rapidamente pensei em voltar a festa, senti uma mão sobre meu ombro. Aquilo desencadeou toda uma corrente elétrica no meu corpo. Era ele. O meu amado. Ele...
"Tá tudo bem?" - ele perguntou. Eu disse que sim, só precisava tomar ar puro, pois toda aquela agitação lá dentro havia me deixado tonta. Ele me pediu para sentar com ele num banquinho próximo, pois queria conversar. Meu sangue gelou no mesmo instante. Seria sobre a carta? Seria sobre eu ouvir toda a briga ou melhor, metade dela? Ele nem me perguntou se eu realmente ouvira a conversa, apenas começou a desabafar. Disse que sua vida estava confusa, que a garota que com namorava era complicada demais, que não lhe dava espaço e tudo mais.
"Namorava?" - perguntei. Ele apenas confirmou. Disse que discutiram e que ele não aguentava mais. Então ela simplesmente foi embora da festa e o abandonou. Eu fiquei sem palavras. Mais do que ja estava. Primeiro: ele estava ali, conversando comigo; segundo: ele estava oficialmente solteiro; terceiro: ele estava ali comigo.
Ficamos um bom tempo falando, ele se sentira mais aliviado em conversar, pensei em levantar para voltar a festa e ele me pergunta sobre a carta. Fiquei estática. Afinal, eu não imaginava que teríamos essa conversa!
"Bem, eu sempre gostei de você. Sempre. Realmente acredito que você é como um primeiro amor entende? Sei que sou meio esquisita e fora do contexto as vezes, mas eu precisava dizer. Eu realmente escrevi e assinei, poque eu não acreditava que falaria com você algum dia e muito menos hoje. Eu não sei o que dizer, acho melhor voltar para festa e ..."
Ele segurou meu braço e toda aquela corrente elétrica voltou. Ele me olhou no fundo dos olhos e percebi o porque eu amava ele: aqueles olhos azuis eram como o mar, me transmitiam a paz, a serenidade. Senti que ele também sentira algo, ou era apenas a minha mente me pregando peças. Ele então soltou meu braço e se virou, como se fosse esconder algo.
"Eu sempre te admirei, nunca conheci alguém tão meiga como você. Você sempre tem as palavras certas, é tão inteligente, esperta. Sempre prestativa, adora estar ajudando os outros. Ama seus amigos e os protege acima de tudo. Você é simplesmente incrível  E está linda essa noite."  
A ultima frase realmente me chocou. Linda? Eu? Ele estava dizendo que eu estava linda. Eu fiquei estática novamente, senti aquela corrente no corpo e também senti vontade de fugir dali. Fechei os olhos por um certo tempo. Eu devia estar sonhando, quando eu abri, ele estava próximo demais, me encarando e procurando alguma coisa. Eu não sabia como reagir. ele ficou mais próximo, continuei parada. E então ele disse aquilo que eu nunca imaginaria ouvir dele, aquilo que elevou ao mais alto nível meu ego:
"Sim, você está linda está noite. Assim como todos os dias naquele canto da nossa sala. Eu sempre fui apaixonado por você. E agora, estou aqui na sua frente, segurando sua mão e olhando nos seus olhos. e só tenho uma coisa a fazer."
Ele me puxou para si e me beijou. Aquilo fora mágico. Eu o abracei, retribui seu beijo, e passamos o restinho daquela noite, ali sentados, de mãos dadas, observando a lua.










Postar um comentário