Reflexões

, , No Comments
Era um jogo de perguntas...
Eu respondia a todas com calma e sabedoria. Eram fáceis.
Ai, eu troquei de dupla. Sentei e o olhei profundo em seus olhos.
Apesar do óculos eu via claramente seu olhar sereno. Trocamos duas perguntas. Uma foi: "Como você se comporta em um grupo novo?" Essa foi fácil. Ele falou que ia se adaptando aos poucos. Ai perguntou pra mim. Eu falei que me soltava mais encenando do que em publico. Aí ele me questionou porque e foi complicado falar, mas falei...
A outra pergunta que realmente me marcou foi: "Como você via o mundo quando criança?"
Cara, aquilo mexeu no meu interior, me fez lembrar das mortes que presenciei, das pessoas que foram e eu não havia superado ou apenas pensava que não...
Quando ouvi a pergunta, baixei a cabeça, pensei no que dizer. Quando levantei novamente, olhei no fundos dos olhos dele e de repente sabia exatamente o que falar...
" Eu via o mundo de uma forma sombria. Fui cercada pela morte desde os 5 anos de idade. Perdas importantes das quais nunca esqueci. Superei? Sim, algumas. Aceitei? Não... Eu sinto vontade de chorar até hoje, mas tenho que conviver com isso e tentar não chorar sabe? Afinal, a vida segue e até o fim da minha vida, terei muito mais perdas... Mas o que tenho que guardar é o que cada pessoa me ensinou!"

Foi uma experiência única sabe? Eu nunca refleti tanto na minha vida como hoje. Foram perguntas simples, porém mexeu comigo de uma forma estranha e pela primeira vez na semana me senti leve de verdade...
Será que pela primeira vez alguém me fizera questionar a minha vida? Me fazer ver de outra maneira tudo o que já vivi e o que ainda tenho pra viver?

Postar um comentário